“Fazer o que Deus quer, querer o que Deus faz, eis a verdadeira paz”[1]. Aquele que procura paz, certamente deverá trilhar o caminho da obediência à Deus. O Catecismo da Igreja Católica em seu parágrafo 411 afirma que: “por sua ‘obediência até a morte de cruz’ (Fl 2,8), [Cristo] repara com superabundância a desobediência de Adão”. Se pela desobediência de Adão entrou o pecado no mundo, de modo mais abundante, a graça de Deus nos consola pela obediência de Cristo. Ele obedeceu até o fim, perecendo sob o madeiro da cruz.

Cristo decidiu livremente, em obediência ao pai, entregar sua vida por nós. Embora estas duas palavras, liberdade e obediência, não pareçam poder unir-se em uma mesma oração; só existe liberdade se praticamos o bem, do contrário, seremos escravos do mal. Portanto, aquele que quer ser livre, deve trilhar a obediência à Deus. Assim afirma o catecismo no parágrafo 1733:

“Quanto mais pratica o bem, mais a pessoa se torna livre. Não há verdadeira liberdade a não ser a serviço do bem e da justiça; A escolha da desobediência e do mal é um abuso de liberdade e conduz à ‘escravidão do pecado’.”

“Jesus Cristo nos amou até o fim e lavou nossos pecados com seu sangue”[2]. Quem deseja obedecer e trilhar o caminho da justiça deve estar disposto a prosseguir até o fim. Nem sempre compreendemos e as vezes a vontade de Deus parece difícil ou até mesmo dolorosa demais para suportar. “Deus não poupou seu próprio filho, mas o entregou por todos nós”[3]. Tenhamos isto em mente: Deus sempre fará o melhor por nós. Nem sempre será fácil, prazeroso ou gratificante. Mas será o melhor. Medite sobre o sofrimento de Cristo na cruz. “Mas estava sendo transpassado por causa de nossas rebeldias, estava sendo esmagado por nossos pecados. O castigo que teríamos que pagar caiu sobre Ele, com os seus ferimentos veio a cura para nós” Is 53,5

A obediência só produz o fruto esperado se não desistirmos. E se Jesus tivesse descido da Cruz? E se Ele tivesse desistido de nós? Onde estaríamos? Só podemos beber do manancial da salvação graças a obediência filial de Cristo, que foi até o fim. “Mesmo sendo filho, aprendeu o que significa a obediência, por aquilo que sofreu, Mas, quando levou a termo sua vida, tornou-se causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem.” Hb 5,8.9

Muitas vezes, obedecer a Deus parece nos custar demais! Mas toda vez que pensar em desistir, devo lembrar de Jesus na cruz: Ele não desistiu! Se Jesus tivesse desistido eu também poderia desistir, mas isto não ocorreu. É preciso persistir até o fim. No caminho da cruz, Nosso Senhor caiu, sob ele pesava os pecados de toda humanidade. Mas ele prosseguiu. Recebeu ajuda e prosseguiu. Assim deve ser também em nossa vida, não devemos desistir.

Mas como obedecer? Qual o caminho seguro? A obediência à Deus é um caminho que nunca deve ser trilhado só. Deus quis que obedecêssemos a sua Santa Vontade nos deixando um caminho seguro: Ser de Cristo, imitar seus exemplos. Para isto, deixou à Igreja a tarefa de proteger o depósito da fé durante os séculos, afim de que hoje, Século XXI pudéssemos seguir a mesma fé dos discípulos de outrora. Obedecer a Deus é imitar Jesus e seguir seus mandamentos. Mas se hoje a mensagem de Jesus permanece imutável, é graças à sua ação através dos séculos pelo ministério concedido à Igreja. Pelas águas do Santo Batismo a Igreja nos introduz na mística da pertença ao corpo de Cristo, que é sua Igreja, cuja cabeça é Ele mesmo. Portanto, obedecer à Igreja é trilhar o caminho que nos conduz à liberdade dos filhos de Deus e que nos leva para longe da escravidão do pecado.

“Feito membro da Igreja, o batizado não pertence mais a si mesmo, mas àquele que morreu e ressuscitou por nós. Logo, é chamado a submeter-se aos outros, a servi-los na comunhão da Igreja, a ser “obediente e dócil” aos chefes da Igreja e a considera-los com respeito e afeição. Assim como o Batismo é a fonte de responsabilidades e de deveres, o batizado também goza de direitos dentro da Igreja: de receber os sacramentos, de ser alimentado com a Palavra de Deus e de ser sustentado pelos outros auxílios espirituais da igreja.” Catecismo da Igreja Católica, §1269

A Igreja tem o dever de nos conduzir nesta trilha segura da obediência através das graças espirituais as quais ela dispensa a nós. Aqueles que desejam obedecer a Deus, devem unir cada vez mais sua vida ao Cristo Crucificado por meio de sua Santa Igreja.

“Tende coragem e um coração firme, vós todos que esperais no Senhor” Sl 31,25 Peçamos ao Espírito Santo o auxílio para não nos cansar de obedecer a Deus. Somente com o auxílio de seu Santo Espírito poderemos cumprir plenamente a vontade de Deus. Dá-nos Senhor, a graça da Santa Obediência.

 

[1] Canção: Projeto de Vida. CD É Preciso Orar. Pe. Delton Filho;

[2] Antífona 2; Laudes da Sexta-Feira da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo

[3] Antífona 1; Laudes da Sexta-Feira da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo